Faixa Vermelha 7000 (1965) de Howard Hawks

Faixa Vermelha 7000 (1965) de Howard Hawks

Um filme de liberação de energia. A adrenalina ou como pura inocência da sensação, revelando a existência do ser por meio do próprio ser, ou como explosão do ego, afirmando os diversos “eus” imaginários de um personagem. Uma leva a existência, a outra a morte (seja ela física, moral, profissional…).

Cada personagem com suas próprias prisões egoístas que os impedem de afirmar sua existência por meio do viver, da experiência do ser no mundo. As parcelas de ego que desestabilizam a harmonia do mundo criando o mistério, a incompreensão do animalesco que torna a razão humana irracional.

Razão que para Hawks está presente na existência, no antidrama, na cantoria, na verborragia, na incomunicabilidade, na música aleatória… Se aproxima muito das ideias de Bergson de intuição e “eu do momento”. A verdadeira substância do objeto/ser é manifestada pela intuição, é a primeira reação, que desestabiliza e foge de qualquer barreira moral, científica, cultural, social pré-conceituada ao longo da vida. Intuição de um “eu” que está em constante transformação; a cada momento um mundo diferente, um “eu” diferente, uma intuição diferente. É o canto, o choro, a risada, a aceleração, a dança, o beijo, a paixão; é o jazz de Hawks – corrigindo – é o jazz da vida, tentando eliminar o ego do mundo.

por Gabriel Linhares Falcão

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s