12 Seasonal Films de Jorge Suárez-Quiñones Rivas (2020)

Precisamos de mais filmes assim, menos conforto e mais confronto. O cineasta precisa se jogar no mundo; descobrir, se descobrir e descobrir o próprio filme ao longo do processo. De fato experimentar. 

Se subordinar ao mundo, o que não significa que não possa rabiscar, rodar, rever, iluminar, brincar, cortar… Tudo é possível quando a câmera se funde ao corpo; toda escolha de torna natural. 

É preciso bater de frente com o místico do mundo e nunca desvendar seus enigmas; encontrar diversas evidências e traçar naturalmente um esoterismo que é oculto não só ao espectador, mas também ao cineasta que se jogou. 

O que sabemos? 

Um ciclo solar e quatro estações. 

O que o cineasta, Jorge, sabe? 

Um ciclo solar e quatro estações. 

O íntimo aflora. Imerso nos fragmentos da natureza que revelam as estações. Plantas sempre nuas não escondem o calor, a frieza, a secura e umidade de cada ciclo trimestral. As pessoas próximas a Jorge, desnudadas pela câmera, revelam a natureza do ser e interagem com as estações. Faces e gestos majoritariamente tímidos, intimidados pelo registro, mas sempre aptos a refazer um movimento em prol do filme, em prol de Jorge. A intimidade das relações não está só na liberdade e no conforto, mas também em assumir e confrontar restrições e bloqueios em prol do outro. Não só as relações mas toda a natureza é assim e essa se torna a natureza do filme. Um constante processo de redescobrimento da forma por meio das adaptações do íntimo. Confrontar até encontrar o conforto.

por Gabriel Linhares Falcão

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s